sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Avenida Constantino Nery de cara nova! e o cidadão manuara agradece!





O Manaustrans iniciou a implantação de linhas de demarcação, semáforos e faixas de pedestres na Avenida Constantino Nery, onde está sendo implantado o primeiro trecho do corredor do BRS (Bus Rapid System). A sinalização está posicionada ao longo da avenida na sequência das plataformas de embarque e desembarque de passageiros, com o objetivo de garantir a segurança dos usuários do sistema e demarcar a circulação dos coletivos. A linha de demarcação na cor azul se estende por seis quilômetros, ao longo da Constantino Nery, nos dois sentidos e indica que o corredor é exclusivo de ônibus. Demais veículos não poderão circular na pista restrita para coletivos, sob pena de serem autuados com infração média, quatro pontos na carteira e multa de R$ 85,30. No entanto, durante o período de implantação e adaptação dos motoristas ao novo sistema, ainda não haverá multa. A previsão é que na próxima semana os trabalhos de sinalização sejam finalizados. O Manaustrans fará uma campanha de orientação e divulgará quando as infrações começarão a valer. Serão instalados ainda oito semáforos acionados por botão e com alarme sonoro para garantir a travessia de pessoas com deficiência visual. Nesses trechos também serão implantadas faixas de pedestres. Esta é a etapa inicial do BRS, conforme programação da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU).


"Camisinha não protege 100% contra o HPV", e agora?

O tema vacinação contra o HPV continua dando o que falar desde a publicação do texto do médico Rodrigo Lima na última terça. Lima faz parte de um grupo de médicos que se opõem à imunização.Leia aqui os seus argumentos.
Depois disso, sociedades médicas, como as de pediatria e de imunização, têm se manifestado no sentido de reforçar a importância e a segurança da vacina, que será ofertada a partir de março nas escolas.
Hoje é a vez da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Com a palavra, a médica Nilma Antas Neves, presidente da comissão de vacinas da entidade.
"A Febrasgo apoia a Campanha de Vacinação contra HPV (Ministério da Saúde) para as adolescentes, que começará em março, por entendermos que a prevenção do câncer de colo do útero deve ser feita primariamente contra a infecção dos vírus causadores de 70% dos casos desse câncer (HPV 16-18), associada á realização do preventivo ginecológico (Papanicolaou).
Infelizmente no Brasil, o método preventivo do câncer de colo do útero, isoladamente, não tem se mostrado efetivo para evitar que cerca de 9.000 mulheres morram por ano de câncer de colo do útero, o que equivale a 20 mortes por dia de mulheres brasileiras, sendo a maioria de mulheres pobres.
A baixa efetividade do exame se deve à qualidade e cobertura insuficientes do exame, podendo apresentar altas taxas de falha em detectar as células malignas, inclusive de um tipo de câncer do colo que se localiza mais profundamente (Adenocarcinoma). A taxa de mortalidade por câncer de colo do útero no Brasil continua alta e quase inalterada nos últimos 26 anos.
Embora o número de exames realizados aumente a cada ano, a cobertura ainda é muito abaixo da necessária para o controle do problema.
O método Papanicolaou é eficiente nos países onde é feito com cobertura adequada e regularmente e se forem detectadas células alteradas, é preciso que a mulher tenha acesso facilitado para realizar o tratamento necessário, o que também não tem sido fácil para a maioria das mulheres que utilizam a rede pública de saúde brasileira.
Essa campanha beneficiará principalmente as adolescentes que não poderiam pagar por essa vacina e que provavelmente também não teriam acesso fácil para realizar o preventivo durante a sua vida.
O uso da camisinha deve ser incentivado, mas infelizmente na prática não é usada pela maioria dos jovens ou adultos. Além disso, o uso da camisinha não protege 100% contra a infecção para Herpes e HPV.
A segurança da vacina contra HPV foi monitorada durante as pesquisas prévias ao lançamento e também após o mesmo, não sendo determinada como causa e efeito, os casos de pacientes que tomaram a vacina e apresentaram problemas graves de saúde. A conclusão é que foi uma associação temporal.
Embora nossa recomendação enfatize iniciar a vacinação antes do início da atividade sexual, entre 9 e 13 anos, para se obter a eficácia máxima da vacina, a prescrição da vacina contra HPV para as mulheres que já iniciaram a atividade sexual deve ser feita, porque a mulher pode não estar infectada pelo(s) tipos virais contidos na vacina. A indicação da vacinação para as mulheres maduras (> 26 anos) deve ser avaliada na consulta médica, porque muitas mulheres podem se beneficiar da vacinação, até mesmo após já ter tido infecção por HPV. A vacina bivalente contra os HPV oncogênicos 16-18 foi aprovada pela ANVISA em 2013 para mudança de bula, para uso em pacientes acima de 9 anos, sem limite de idade superior.
O objetivo maior da vacinação é a prevenção do câncer de colo uterino, mas sabemos que a vacina contra HPV também é eficaz na prevenção de outros tipos de cânceres genital da mulher (vulva, vagina, ânus).
Por fim, mesmo nas mulheres em que o Papanicolaou detecte a lesão pré-maligna e que elas venham a ser tratadas, será que o impacto emocional e sexual e em alguns casos, até problemas no ciclo reprodutivo causado por esse episódio, não poderiam ter sido prevenidos, se essas mulheres tivessem sido vacinadas. "

este texto é da Colunista:
Cláudia Collucci é repórter especial da Folha, especializada na área da saúde.

Postagem em destaque

Câmara aprova projeto sobre renegociação das dívidas dos estados e do DF

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (10), o Projeto de Lei Complementar 257/16, que trata da renegociação das dívidas do...